Navigation – Plan du site
Dossier

Cuba e a esquerda latino-americana. Entre o impacto da Revolução de 1959 e a Revolução bolivariana

Claudia Wasserman et Vicente Ribeiro
p. 75-88

Résumés

Cet article a pour but d’analyser l’influence de la Révolution cubaine sur ce qu’on entend par « socialisme » quand on évoque la gauche latino-américaine, au Venezuela tout particulièrement. Beaucoup d’études ont analysé la constitution de groupes de guérilla à partir de cette influence et comme le résultat de la politique extérieure cubaine qui a, en certaines occasions, stimulé l’activité de ces groupes dans les années 1960-1970. Au-delà de ce moment, l’objectif de cet article est aussi d’analyser l’influence de la Révolution cubaine sur la Révolution bolivarienne initiée à la fin des années 1990 au Venezuela et de comprendre les relations et activités de coopération actuelles entre les deux pays.

Haut de page

Texte intégral

Cuba e Venezuela até os anos 1960

1Cuba, em função de seu processo revolucionário, estabeleceu diversas relações com a esquerda latino-americana, inclusive com a esquerda venezuelana que nos interessa particularmente nesse artigo. Esses vínculos tiveram diversas naturezas, dependendo do país atingido e da conjuntura internacional: admiração, inspiração, influência objetiva no campo das estratégias com envio de armamento e treinamento, até a constituição de vínculos envolvendo aspectos econômicos e sociais (nos campos da educação, da saúde e da habitação). É difícil mensurar admiração, inspiração e respeito pelo processo cubano por parte da esquerda de outros países do subcontinente, ao passo que influências e vínculos concretos podem ser mapeados para entender melhor esses encontros, acordos e mútua solidariedade. Ressalta-se ainda a diferença entre influência de Cuba sobre grupos, organizações e movimentos de esquerda e o relacionamento entre países e governos instituídos. Em uma perspectiva histórica, é possível afirmar que Cuba exerceu muito mais influência nos grupos, partidos, movimentos e organizações guerrilheiras de países latino-americanos do que realizou alianças econômicas, comerciais e de solidariedade com governos instituídos.

2O objetivo do artigo é analisar os impactos e a influência que a Revolução Cubana exerceu sobre a esquerda latino-americana e, particularmente, na Venezuela. Procura descrever e entender também as relações e atividades de cooperação entre os dois países, sobretudo a partir da eleição de 1998, que levou Chávez ao poder na Venezuela.

3A Revolução Cubana ocorreu numa época em que os Partidos Comunistas latino-americanos defendiam a revolução democrático-burguesa, em aliança com setores progressistas das classes dominantes. O próprio Partido Comunista Cubano não apoiou a iniciativa do grupo de Fidel Castro, porque considerava a guerrilha um obstáculo para a realização das alianças.

4A vitória da Revolução Cubana demonstrou a possibilidade de se chegar ao poder através da luta armada, mesmo contra aparatos repressivos eficientes. Ao mesmo tempo, ficou evidenciado que a origem dos militantes ou os objetivos iniciais de um movimento revolucionário não garantem o caráter das medidas a serem implementadas após a vitória da insurreição.

  • 1 Os Partidos Comunistas latino-americanos, sob orientação do PCUSS, estavam dispostos a realizar ali (...)
  • 2 As reformas propostas eram moderadas, visavam diminuir as desigualdades sociais e diversificar as a (...)

5Fidel e seus combatentes lutavam contra o despotismo de Batista, as desigualdades sociais impostas por uma elite primário-exportadora e contra o imperialismo norte-americano imposto desde a independência da ilha. Entre os objetivos iniciais não estava a implantação do socialismo, bem como os dirigentes do Movimento 26 de Julho não eram de origem operária, como determinava a cartilha comunista1. A opção pelo socialismo foi resultado da radicalização do próprio processo revolucionário, em vista dos obstáculos interpostos pelo imperialismo e pelas classes dominantes cubanas às reformas propostas pelos revolucionários da Sierra Maestra2. A efervescência dos movimentos sociais nacionalistas, ao longo dos anos 1950, cujos exemplos mais contundentes foram dados por Guatemala, Bolívia e Cuba, foi decisiva para uma guinada conservadora na América Latina, bem como pela radicalização do processo cubano.

6Os primeiros movimentos inspirados em Cuba foram reprimidos e fracassaram. Na maior parte dos casos, não houve um apoio decisivo da população, o movimento iniciado no campo não conseguiu apoio nas cidades e não teve um caráter nacional, ou a vanguarda do movimento não tinha eficácia militar suficiente para derrotar as forças oficiais. A repressão foi, no entanto, o fator decisivo para o insucesso dos movimentos. A contra-insurgência recebeu o apoio decisivo e sistemático dos Estados Unidos para evitar “Novas Cubas”.

7Entre as guerrilhas deste período estavam o Exército de Libertação Nacional (ELN), na Bolívia, onde Guevara atuou e morreu; na Republica Dominicana surgiu a guerrilha do “Movimento Revolucionário 14 de junho; no Peru, na Guatemala e em outros países também surgiram ou se reestruturaram guerrilhas formadas pelo exemplo cubano, lideradas por ex-militantes dos partidos comunistas e de outros grupos de esquerda. A Frente Sandinista de Libertação Nacional, dirigida por Carlos Fonseca Amador, na Nicarágua também se constituiu por essa época.

8O Partido Comunista Venezuelano (PCV), diferentemente dos demais partidos comunistas da América Latina, seguiu inicialmente o caminho da luta armada. Douglas Bravo, líder das Forças Armadas de Libertação Nacional (FALN), braço armado do PCV, foi um dos combatentes e ideólogos das guerrilhas rurais nos anos 1960. Pedro Duno, que combatia na “Frente Simon Bolívar”, conheceu Guevara na Argélia. Chegou a convidá-lo para participar da guerrilha na Venezuela. Frentes guerrilheiras instalaram-se em vários estados do país, além da organização de uma guerrilha urbana, com o objetivo de conectar-se com a guerrilha rural.

  • 3 A primeira Declaração de Havana, em 2 de setembro de 1960, convocava as forças populares latino-ame (...)
  • 4 Criada na Conferência Tricontinental, ocorrida em Havana em 1966, com representantes da Ásia, da Áf (...)
  • 5 Criada em Havana em agosto de 1967, a OLAS exortava à luta armada e denunciava o stalinismo dos Par (...)

9O apoio cubano a esses movimentos foi consistente. Depois que o PCV alinhou-se à política de Moscou, o suporte cubano à guerrilha venezuelana e, sobretudo ao Partido da Revolução Venezuelana (PRV), fundado por Bravo (expulso do PCV em 1965), tornou-se mais sistemático ainda. Além do envio de armas, treinamento e soldados, a primeira “Declaração de Havana3, a formação da Organização de Solidariedade dos Povos da África, Ásia e América Latina (OSPAAAL)4 e a criação da Organização Latino-americana de Solidariedade (OLAS)5 reforçavam o respaldo de Cuba à luta armada na América Latina e no Caribe. O período que vai de 1960 (Declaração de Havana) a 1967 (OLAS) foi de intenso relacionamento entre os revolucionários cubanos e a guerrilha venezuelana, mas posteriormente, com a morte de Che Guevara em outubro de 1967 desferiu-se um golpe terminal na idéia de exportar a Revolução Cubana, na idéia do foco guerrilheiro e na opção pela luta armada na América Latina.

10Militarmente derrotada em 1967, a guerrilha venezuelana resistia com apenas vinte por cento de seu contingente. O restante havia sido preso ou morto. A guerrilha foi combatida pelos presidentes da Ação Democrática (AD), Raúl Leone, seguido, a partir de 1968, por Rafael Caldera do Copei (Partido da Democracia Cristã). Caldera estabeleceu a “paz de cemitério”, permitindo inclusive a legalização dos partidos de esquerda. Carlos Andrés Perez (AD), que sucedeu Caldera, foi beneficiado pelo boom petroleiro. As classes dominantes foram favorecidas pela prosperidade dos negócios energéticos; a guerrilha estava sepultada e parecia rompida a linha que ligava o movimento venezuelano a Cuba ou a qualquer outra tentativa de insurreição popular.

11Entre os anos 1960 e 1970, Cuba exerceu influência sobre a esquerda latino-americana ao demonstrar a possibilidade de vencer as forças repressivas das classes dominantes locais e dos Estados Unidos. Fascínio, simpatia e admiração são palavras adequadas para expressar essa influência, mas também, e, sobretudo, Cuba treinou guerrilheiros, enviou armas e soldados para lutar em outros países, sendo esse contato quase exclusivo com grupos, movimentos e organizações da esquerda comunista que acreditavam na eficácia da luta armada. Até a morte de Che e o início da ofensiva conservadora, Cuba pretendia exercer influência sobre as esquerdas latino-americanas e trabalhava para isso, militarmente e nos fóruns de solidariedade periférica. Porém, depois da Revolução Nicaragüense e da deposição de armas da guerrilha El Salvadorenha, Cuba somente voltaria ao centro das atenções no final do século XX, a partir da eleição de governantes de esquerda na América do Sul.

Cuba e Venezuela: a constituição de novos vínculos

12No dia 13 de dezembro de 1994, o tenente coronel Hugo Rafael Chávez Frías desembarcava em Havana. Para surpresa do comandante venezuelano, o próprio Fidel Castro o esperava no aeroporto. Essa visita foi um dos tantos encontros ocorridos entre cubanos e venezuelanos, que marcaram a história dos dois países.

13Hugo Chávez havia sido preso após tentar, sem sucesso, derrubar o governo de Carlos Andrés Pérez através de um levante militar. Ao sair da prisão no dia 26 de março de 1994 viajou por toda a Venezuela, dedicado à estruturação do Movimento Bolivariano Revolucionário – 200 (MBR-200) e buscando organizar o entusiasmo em torno de sua figura e de seu exemplo.

14No final do ano de 1994, surgiu o convite, através do professor Eusébio Leal e do embaixador Germán Otero Sanchéz, de conhecer Cuba. Durante sua visita, Hugo Chávez discursou na Aula Magna da Universidade de Havana, onde recebeu o título de Doutor Honoris Causa e expôs as principais linhas do projeto nacional bolivariano. Os pronunciamentos de Fidel e Chávez foram destinados a ressaltar as lutas pela libertação nacional e seus heróis, José Marti e Simon Bolívar: “El siglo que viene, para nosotros, es el siglo de la esperanza; es nuestro siglo, es el siglo de la resurrección del sueño bolivariano, del sueño de Martí, del sueño latinoamericano.” [Chávez, 2005, p. 120]. Fidel Castro reforçava essa prédica: “Y claro está que si llevan consecuentemente las ideas de Bolívar y Martí, se concluirá siempre en el fin de la injusticia, en el fin de la explotación…[Castro, 2006, p. 105].

  • 6 Exemplo foi a emergência do Movimento Neozapatista que eclodiu como resistência dos camponeses mexi (...)
  • 7 Exemplo foi o Caracazo, rebelião popular, de 27 de fevereiro de 1989. O protesto iniciou em Guarena (...)

15O contexto latino-americano do início dos anos 1990 poderia ser considerado bastante desfavorável a Cuba e a toda esquerda. Praticamente todos os países da América do Sul eram governados por políticos neoliberais. Carlos Menen, Collor de Melo, Salinas de Gortari e Rafael Caldera implementavam políticas de flexibilização da economia, privatização das empresas públicas, desoneração do Estado, cancelamento da legislação trabalhista, etc. Todas as medidas eram destinadas à liberalização dos fluxos do capital e desregulamentação da economia. No entanto, já havia sinais de resistência por parte de grupos de esquerda organizados6 e também algumas manifestações espontâneas como resultado dos prejuízos das políticas neoliberais para a população em geral7.

16Sendo assim, a visita de Hugo Chávez a Cuba ocorreu num contexto após a queda do socialismo, no período da ofensiva neoliberal e de um esboço de resistência em alguns pontos do subcontinente. O encontro entre Fidel e Chávez marcou um novo momento nas relações entre as esquerdas latino-americanas. A partir da visita, Chávez e Fidel tentavam construir a idéia da existência de afinidades ideológicas mais longínquas do que aquelas que os uniam pelas dificuldades que enfrentavam naquela conjuntura específica. Significa dizer que, embora a constituição de vínculos beneficiasse ambos naquela conjuntura de queda do socialismo e ofensiva conservadora, eles buscavam, na história da região, os símbolos para explicar suas afinidades.

  • 8 A reivindicação do nacionalismo e das decisões internas sobre a apropriação de riquezas esteve na b (...)

17Foram os heróis libertadores, Martí e Bolívar, a representação da demanda que era comum a ambos e que era comum a outros governantes ou militantes de esquerda na América Latina, o nacionalismo. Os processos de privatização e a conseqüente desnacionalização das economias latino-americanas mais atingidas pelas políticas neoliberais renovaram as prédicas nacionalistas que nunca haviam desaparecido do léxico das esquerdas subcontinentais8.

18Além do nacionalismo, presente em ambos os discursos, conquanto se relaciona à forma da apropriação das riquezas produzidas no país pelas classes dominantes e por empresas estrangeiras, a ligação de Chávez e Fidel é marcada por várias coincidências, entre elas o fato de que ambos fracassaram em suas primeiras investidas revolucionárias, foram presos e fundaram movimentos que atraíram grande parte da oposição, apoiados na figura dos heróis da libertação nacional [Gott, 2002, p. 45-54].

19Outro tema, um tanto controverso, que marca aproximação entre a Revolução Cubana e a Revolução Bolivariana, é a reivindicação do socialismo. Ressalta-se, no entanto, a enorme diferença no contexto internacional e latino-americano entre os dois períodos. No contexto dos anos 1950 e dos anos 1960, o planeta vivia convulsionado pela bipolarização do mundo dividido entre o capitalismo e o socialismo. Os blocos disputavam o alinhamento dos países periféricos aos sistemas rivais. Os Estados Unidos era uma potência mundial, mas a União Soviética parecia ter construído não apenas uma sociedade mais justa, mas também tinha conseguido desenvolver sua economia, através da planificação.

20Para a militância de esquerda dos países latino-americanos, visivelmente atrasados e dependentes economicamente, o socialismo não era apenas uma alternativa, como também parecia possível e urgente. Por outra parte, alguns países latino-americanos, notadamente os menos industrializados, agitados pela intensa mobilização social da época, realizavam protestos e insurreições antioligárquicas, cujos resultados eram imprevisíveis.

  • 9 A derrubada da ditadura marca o início do “Pacto do Punto Fijo”, que determinava a alternância de p (...)

21No final da década de 1950, por exemplo, Venezuela e Cuba derrubaram ditaduras oligárquicas, de Marcos Pérez Jimenez, em janeiro de 1958, e de Fulgêncio Batista, em janeiro de 1959. Foram dois processos revolucionários que seguiram caminhos distintos. Em Cuba, os rebeldes não se limitaram a derrubar o regime político; terminaram questionando o conjunto da sociedade capitalista e implantaram o socialismo. Na Venezuela seguiu-se um período de alternância de partidos burgueses no poder9, garantidos pela prosperidade advinda das rendas da exploração do petróleo. A Venezuela se tornou o modelo reivindicado pelos EUA, enquanto Cuba implantava o socialismo reivindicado por grande parte da esquerda subcontinental da época.

22O contexto dos anos 1990 é definitivamente diferente para o tema do socialismo. A queda do muro de Berlim, em 1989, simbolizou o fracasso do sistema baseado numa sociedade sem classes, com economia planificada, dirigida pelo Estado. O socialismo que nos anos 1960 era uma alternativa ao capitalismo, considerado como possível e urgente, passou a ser visto como derrotado e ultrapassado. Neste contexto, a defesa que Cuba faz do socialismo é muito diferente da reivindicação de Hugo Chávez pela implantação do “socialismo do século xxi”.

23Depois da queda do muro de Berlim e o decreto de morte do socialismo na União Soviética, o socialismo cubano sustentou-se com dificuldade. O país entrou em uma profunda crise, que atingiria seu momento mais crítico entre 1991 e 1993. Desde o início da década de 1990, Fidel Castro decretou “Período Especial”, no qual foram tomadas medidas para manter as conquistas da Revolução, a partir de um equilíbrio difícil entre a atração de investimentos estrangeiros e a manutenção do regime político. Manter o discurso socialista significou, nessa conjuntura, a tentativa de preservar as conquistas sociais da era revolucionária, manter a independência em relação aos Estados Unidos e manter o poder político nas mãos do mesmo grupo que há mais de trinta anos ocupa o governo cubano.

  • 10 Dizemos “por enquanto” porque o processo iniciado em 1998 está em pleno desenvolvimento e poderá te (...)
  • 11 Entre 2001 e 2003, a Venezuela foi sacudida por uma importante disputa hegemônica em torno do contr (...)
  • 12 O fracasso da política econômica neoliberal, bem como as resistências surgidas em relação aos gover (...)

24O “socialismo do século xxi” é uma expressão criada pelo presidente Hugo Chávez que tem servido, por enquanto10, para designar independência do país em relação ao domínio econômico dos Estados Unidos, para marcar a mudança na forma de apropriação das riquezas venezuelanas, sobretudo o petróleo, e a inversão dessa riqueza em programas sociais11, e afirmar a posição de liderança e destaque do presidente venezuelano diante de uma América Latina predominantemente governada pela esquerda12.

  • 13 Concretamente, a proximidade entre as forças revolucionárias dos dois países foi resultado do apoio (...)
  • 14 Quando perguntaram a Hugo Chávez, em 1994, se era a primeira vez que visitava Cuba, ele respondeu: (...)

25Assim, para além das questões concretas que influenciaram a proximidade entre as forças revolucionárias de Cuba e da Venezuela ao longo da história13, está em curso a construção discursiva de uma nova solidariedade, baseada na preservação do patrimônio produtivo dos países, no discurso nacionalista, na reivindicação de autonomia inspirada nos líderes das independências, na idéia do socialismo e na construção de uma política externa de aproximação da América Latina ao eixo Caracas-Havana. Do mesmo modo que na Revolução Cubana, o socialismo não ancorava inicialmente o projeto do grupo liderado por Chávez. A reivindicação do socialismo por parte de Hugo Chávez é resultado de influência objetiva da Revolução Cubana14, mas também, e principalmente, diz respeito a uma estratégia de sobrevivência e afirmação política na conjuntura atual.

A emergência dos setores populares na Venezuela e os caminhos de uma aliança estratégica

26A emergência de setores populares como protagonistas no processo político venezuelano a partir do Caracazo é fundamental para compreender o processo bolivariano, a intervenção de setores das Forças Armadas na política nacional e o desenrolar dos acontecimentos no país. Se o grupo clandestino liderado por Hugo Chávez já vinha organizando-se desde o início dos anos 1980, foi a partir da revolta popular que a perspectiva da insurreição se constituiu frente à crise de legitimidade que marcou o governo de Carlos Andrés Pérez. Em fevereiro de 1992, os militares organizaram uma insurreição contra o governo. A revolta foi derrotada e as lideranças encarceradas, mas a aparição do tenente-coronel Hugo Chávez Frias assumindo a responsabilidade pelo levante o transformou em referência para amplos setores da população.

27A visita a Cuba em 1994 representava mais um passo no credenciamento de Chávez à liderança do movimento popular contra a continuidade da política neoliberal na Venezuela. No encontro com Fidel, Hugo Chávez era praticamente um desconhecido. Quinze anos depois ele se habilita como possível herdeiro político de Fidel Castro, desfruta de sua intimidade, sendo inclusive um dos únicos a serem admitidos no hospital onde o comandante cubano se recuperava de grave doença que o afastou do poder desde 2007.

28Do ponto de vista cubano, a vitória de Hugo Chávez nas eleições de 1998 representou a esperança de sair do isolamento político, através do estabelecimento dos acordos de cooperação. Os acordos estabelecidos com a Venezuela não só fortaleceram a posição de Cuba, como também expandiram sua influência sobre uma América Latina marcada por importantes lutas populares e onde a perspectiva de esquerda retoma o vigor.

29Embora o conteúdo do socialismo não seja o mesmo, conforme explicitado anteriormente, a simples recuperação do vocábulo e os acordos entre Cuba e a Venezuela são capazes de explicar a reação contrária do governo dos Estados Unidos, bem como das classes dominantes venezuelanas, que se opõem de forma veemente à cooperação entre os dois países. No mesmo ano da primeira visita de Chávez a Cuba e quando potencialmente vários movimentos sociais anti-sistêmicos reapareceram em toda a América Latina, o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, tentava reorganizar os países latino-americanos na órbita norte-americana, a partir de um projeto de integração hemisférica, base da proposta para a formação da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA).

30Em Havana, outro processo de integração estava sendo gestado e dez anos depois, em dezembro de 2004 viria a dar um passo importante na sua concretização com a assinatura do acordo da ALBA entre Venezuela e Cuba. Partindo dos ensinamentos de Bolívar e Martí, que defendiam a união das nações latino-americanas e caribenhas e advertiam para o perigo que representava a interferência dos Estados Unidos, Chávez e Fidel começavam a traçar o projeto de uma outra integração. O “Acordo entre o Presidente da República Bolivariana da Venezuela e o Presidente do Conselho de Estado de Cuba, para a aplicação da Alternativa Bolivariana das Américas”, firmado em 14 de dezembro de 2004, previa a ampliação de outro instrumento que já estava em vigor desde o ano 2000.

31Cuba e Venezuela firmaram o “Convênio Integral de Cooperação”, apenas dois anos após a eleição de Chávez, abrangendo as áreas energética, esportiva, de saúde, educação, construção, turismo e agricultura, entre outras. Tratava da complementação produtiva baseada na racionalidade, do aproveitamento das vantagens existentes em uma e outra parte, da poupança de recursos, da ampliação do emprego útil, do acesso aos mercados, de pacotes tecnológicos integrais e da eliminação do analfabetismo e programas de saúde, entre outros temas relevantes para integração.

32As relações entre Cuba e Venezuela se estreitaram a partir dos primeiros anos do governo Hugo Chávez. No entanto, a partir de 2003 tais vínculos foram concretizados em uma série de programas sociais novos. Supõe-se que a disputa em torno do controle das rendas do petróleo na Venezuela, ocorrida entre 2001 e 2003, tenha desencadeado uma ofensiva das classes dominantes locais e a conseqüente radicalização do processo bolivariano, o que teria provocado uma aproximação ainda mais intensa entre os dois países. O antecedente imediato do acordo de 2004, entre Cuba e a Venezuela, foi a vitória de Hugo Chávez no referendo reconvocatório em agosto, inclusive o artigo número dois do acordo de 2004 reconhece esse episódio como corolário da “consolidação do processo bolivariano”.

  • 15 Os recursos manejados pelo Executivo são oriundos predominantemente da apropriação das rendas do pe (...)

33O compromisso do governo Chávez com os setores populares, a partir do referendo, associado à nova conjuntura de aumento importante no volume de recursos manejados pelo Executivo15 determinou o surgimento do projeto “Missões”, um conjunto de políticas públicas destinadas aos setores mais empobrecidos da população. O projeto também respondia às dificuldades de fazer chegar aos setores mais pobres essas melhorias em termos de saúde e educação.

34A participação cubana foi um ingrediente fundamental para a implementação do projeto, pela experiência do país naquelas áreas. Entre as contribuições cubanas pode ser destacada a erradicação do analfabetismo. Foi através do programa desenvolvido pelos cubanos, denominado “Yo si puedo”, que em 2005 a Venezuela reduziu consideravelmente o analfabetismo a partir de uma campanha de alfabetização nos moldes da campanha desencadeada em Cuba nos anos 1960. Em dois anos, o projeto atingiu 1,4 milhão de venezuelanos, dentre eles 76 mil habitantes dos povoados indígenas que já podem ler e escrever em espanhol e nas suas línguas nativas. Entre as “Missões” pedagógicas sob responsabilidade dos cubanos destacaram-se Robinson I (alfabetização), Robinson II (primária), Ribas (secundária) e Sucre (universitária), todas destinadas a melhorar as condições educacionais dos venezuelanos pobres. Através dessas atividades, Cuba realiza assessoramento pedagógico e elabora o material didático.

35Ainda dentro deste projeto social, destacou-se a Missão « Barrio Adentro». Tal programa é considerado como uma das iniciativas de maior sucesso do processo bolivariano, porque permitiu a expansão dos serviços de saúde aos bairros mais pobres do país. É justamente nesta missão que a presença cubana se fez sentir de maneira mais marcante com o envio de mais de 20 mil médicos cubanos para a Venezuela. Mais de 17 milhões de venezuelanos já receberam atendimento dos 23 601 médicos cubanos que estão no país. Foram implantados 133 centros de diagnóstico integral, 171 salas de reabilitação e cinco centros de diagnóstico de alta tecnologia. Mais de três mil venezuelanos estudam medicina geral em Cuba, e 12 mil cursam medicina comunitária na Venezuela, com o apoio de 6 525 especialistas cubanos. Os médicos cubanos realizaram 220 571 cirurgias oftalmológicas na Venezuela dentro dos objetivos desse projeto.

36Não foi apenas nas áreas de educação e saúde que Venezuela e Cuba construíram suas alianças. Impulsionada pela assinatura do Convênio Integral de Cooperação Cuba-Venezuela, de 30 de outubro de 2000, as trocas comerciais entre os dois países aumentaram enormemente. A Venezuela fornece atualmente aproximadamente 90 mil barris de petróleo por dia para Cuba, a preços subsidiados. Em 2005, as trocas comerciais chegaram a US$ 2,4 bilhões, um aumento de 140% em relação ao ano de 2001. Em 2006, o país de Hugo Chávez investiu aproximadamente US$ 834,6 milhões na execução de projetos, em setores como informática, comunicações, indústria açucareira, moradia, turismo, transporte e energia em Cuba. Foram criadas várias empresas binacionais para dar prosseguimento aos projetos financiados pela Venezuela.

37A cooperação em segurança e inteligência também contribui para incrementar as relações entre Cuba e Venezuela. O governo venezuelano, influenciado pela doutrina militar cubana, recupera a fórmula que prevê a criação de uma brigada popular de dois milhões de reservistas. Também se articula uma legislação especial na área de segurança que permite, aos oficiais cubanos e venezuelanos, ampla mobilidade para conduzir atividades de defesa militar nos dois países.

38Se a participação cubana foi ingrediente fundamental para a implementação das políticas públicas destinadas aos setores mais pobres da sociedade venezuelana, sobretudo nas áreas de educação e saúde, a conexão entre os dois países também resultou extremamente benéfica para a superação das dificuldades da economia cubana nos primeiros anos do século xxi. A aliança estratégica entre Cuba e Venezuela tem como resultado imediato a recuperação econômica da ilha e o fortalecimento da imagem política de Chávez junto à esquerda do mundo periférico.

39Concretamente, o que une Fidel e Chávez é uma aliança estratégica, onde o primeiro fornece recursos humanos e experiência de gestão nos assuntos relativos à implementação dos programas sociais, além de prestígio político junto a todo o conjunto periférico, enquanto Chávez aporta os recursos econômicos necessários para sanear os problemas cubanos. Esses são, aliás, os termos do acordo assinado entre os dois países, que fazem parte também do termo assinado recentemente entre Cuba, Venezuela e Bolívia.

  • 16 Significa dizer que, embora o socialismo fosse completamente diferente nos anos 1960 e nos anos 199 (...)

40Além do caráter estratégico da aliança, existe também uma outra coincidência nos dois processos que diz respeito à radicalização. Sua origem e a conseqüente constituição de uma perspectiva socialista – evidentemente diferente nos dois períodos – foi resultado da mobilização popular16 associada aos limites impostos pelos setores dominantes às reformas dos governos de esquerda. A origem da radicalização de ambos os processos nos permite, por fim, compreender que a história atual dos dois países compartilha uma questão permanentemente colocada para a compreensão da América Latina contemporânea: a relação entre reforma e revolução. Permite vislumbrar o tênue limite existente na história da América Latina entre a consolidação de uma democracia representativa com menor desigualdade social e a ruptura com o sistema capitalista.

41Essa linha frágil entre reforma e revolução permite ainda verificar as conexões históricas entre o processo revolucionário venezuelano e o processo revolucionário cubano. Ambos foram profundamente marcados por um nacionalismo ancorado no exemplo dos seus libertadores, Simon Bolívar e José Martí, líderes nas lutas dos seus respectivos países contra o império espanhol. A radicalização dos dois processos foi determinada pelas possibilidades abertas pela ampliação da mobilização popular e de acordo com os limites colocados pelos setores dominantes à realização das reformas pretendidas. As diferenças entre estes processos (contexto internacional, forma de acesso ao poder, questão do petróleo, relação com EUA, etc.) não permitem esquecer que ambos fazem parte de uma rica tradição de nacionalismo radical latino-americano, que nestes primeiros anos do novo milênio ganhou um novo impulso, particularmente na América do Sul.

Haut de page

Bibliographie

Bibliographia

Aguirre Rojas Carlos Antonio, América Latina en la Encrucijada. Los movimientos sociales y la muerte de la política moderna, México, Editorial Contrahistorias, 2006, 2 ed.

Angell Alan, “La izquierda en América Latina desde c. 1920”, in Bethell Leslie (ed.), Historia de América Latina. Política y sociedad desde 1930, Barcelona, Crítica, 1997, vol. 12, p. 73-131.

Bravo Douglas, “La unidad cívico-militar. Revista Ruptura Continental, junio-agosto de 1980”, in Garrido Alberto (ed.), La Revolución Bolivariana. De la guerrilla al militarismo. Revelaciones del Comandante Arias Cárden, Mérida, 2000.

Elizalde Rosa Miriam, Baéz Luís, El encuentro, Oficina de Publicaciones del Consejo de Estado, La Habana, 2005.

Garrido Alberto, Guerrilla y conspiración militar en Venezuela, Mérida, Editorial Venezolana, 1999.

Garrido Alberto, La Revolución Bolivariana. De la guerrilla al militarismo. Revelaciones del Comandante Arias Cárdenas, Mérida, 2000.

Gollinger Eva, O Código Chávez, Caracas, Monte Ávila Editores, 2005.

Gott Richard, A la sombra del Libertador. Hugo Chávez Frías y la transformación de Venezuela, Caracas, Imprenta Nacional de la Republica Bolivariana de Venezuela, 2002.

Petras James, La izquierda contraataca. Conflicto de clases en América Latina en la era del neoliberalismo, Madrid, Akal, 2000.

Wasserman Claudia, Palavra de president, Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2002.

Documentos

Castro Fidel, “Discurso en el Aula Magna de la Universidad de La Habana con motivo de la visita del Teniente Coronel Hugo Chávez”, Venezuela y Chávez, Ocean Sur, 2006.

Chávez Hugo, “Primera que vengo físicamente, porque en sueños, a Cuba, he venido muchas veces”, in Elizalde Rosa Miriam, Baéz Luís (ed.), El encuentro, Oficina de Publicaciones del Consejo de Estado, La Habana, 2005.

Acordo entre o Presidente da República Bolivariana da Venezuela e o Presidente do Conselho de Estado de Cuba, para a aplicação da Alternativa Bolivariana das Américas – 14 de dezembro de 2004, último acesso 22/05/2008, encontrado in : http://www.cuba.cu/gobierno/ discursos//2004/por/a141204p.html

Convênio Integral de Cooperação entre Cuba e a Venezuela, assinado em 30 de outubro de 2000, último acesso 22/05/2008, encontrado in : http://www. cuba.cu/gobierno/discursos//2004/por/a141204p.html

Haut de page

Notes

1 Os Partidos Comunistas latino-americanos, sob orientação do PCUSS, estavam dispostos a realizar alianças com frações “progressistas” da classe dominante para cumprir a etapa democrático-burguesa, mas consideravam que a vanguarda do processo revolucionário na direção do socialismo deveria ser do proletariado.

2 As reformas propostas eram moderadas, visavam diminuir as desigualdades sociais e diversificar as atividades produtivas, com o objetivo de diminuir a dependência do país em relação à “cota” de açúcar, exportado para os Estados Unidos. As reformas propostas pelas revoluções de 1944 na Guatemala e 1952 na Bolívia também tinham conteúdo nacionalista e esbarraram nos mesmos obstáculos impostos pelas elites locais e pelos interesses norte-americanos, levando aqueles processos à radicalização e ao fracasso. Os cubanos, assim como guatemaltecos e bolivianos, se radicalizaram, mas saíram vitoriosos na guerra contra as oligarquias.

3 A primeira Declaração de Havana, em 2 de setembro de 1960, convocava as forças populares latino-americanas a se engajarem na luta contra o imperialismo norte-americano e expressava respaldo à luta armada na América Latina e no Caribe.

4 Criada na Conferência Tricontinental, ocorrida em Havana em 1966, com representantes da Ásia, da África e da América Latina, formada por organizações revolucionárias existentes em 82 países. A principal proposta da organização é promover a luta de libertação nacional no Terceiro Mundo.

5 Criada em Havana em agosto de 1967, a OLAS exortava à luta armada e denunciava o stalinismo dos Partidos Comunistas que recomendava a aliança com as burguesias nacionais. Incorporava em seus quadros membros dos Partidos comunistas que decidiam aderir à luta armada.

6 Exemplo foi a emergência do Movimento Neozapatista que eclodiu como resistência dos camponeses mexicanos à adesão do México ao Nafta (Tratado de Livre Comércio da América do Norte, envolvendo os Estados Unidos e o Canadá)

7 Exemplo foi o Caracazo, rebelião popular, de 27 de fevereiro de 1989. O protesto iniciou em Guarenas, povoado situado a quarenta quilômetros da capital, e atingiu rapidamente toda a região metropolitana de Caracas, e outras cidades importantes do país. Foram manifestações massivas e violentas que se desenvolveram por cerca de cinco dias, cuja causa imediata foi o aumento abusivo do preço do transporte urbano, muito acima dos 30%. Rebelião se espalhou devido aos efeitos nefastos provocados pelo plano de ajuste estrutural neoliberal do governo do presidente Carlos Andrés Pérez.

8 A reivindicação do nacionalismo e das decisões internas sobre a apropriação de riquezas esteve na base dos programas de governantes burgueses, como Getúlio Vargas, Francisco Madero, Hipólito Yrigoyen, Juan Domingos Perón, Lazaro Cardenas, Carlos Andrés Perez, Paz Estenssoro, Jacobo Arbénz, etc., mas também foi demanda de personalidades de esquerda, comunistas ou socialistas, como José Carlos Mariátegui, Raúl Victor Haya de la Torre, Salvador Allende, Che Guevara, Fidel Castro, Evo Morales.

9 A derrubada da ditadura marca o início do “Pacto do Punto Fijo”, que determinava a alternância de partidos burgueses no poder, entre os quais a Ação Democrática (AD), de tendência social-democrata, e o Comitê Pró-Eleições Independentes (COPEI), democrata-cristão.

10 Dizemos “por enquanto” porque o processo iniciado em 1998 está em pleno desenvolvimento e poderá ter desdobramentos políticos, sociais e ideológicos que não podem ser previstos nessa conjuntura.

11 Entre 2001 e 2003, a Venezuela foi sacudida por uma importante disputa hegemônica em torno do controle do petróleo. A promulgação das Leis Habilitantes, particularmente a Lei de Hidrocarbonetos, desata uma reação dos setores dominantes do país, cujos marcos são o “golpe de 11 de abril de 2002” e o “locaute petroleiro” de dezembro de 2002 e janeiro de 2003. A partir da vitória do movimento bolivariano, obtida por uma particular articulação entre o movimento popular e setores das Forças Armadas, este projeto de transformação no controle das rendas do petróleo se consolidou. Dotado de uma maior quantidade de recursos, o governo dá início a uma série de políticas sociais estruturadas em torno de programas sociais denominados “Missões”.

12 O fracasso da política econômica neoliberal, bem como as resistências surgidas em relação aos governantes do início dos anos 1990, deu lugar a uma re-configuração do poder político na América Latina, que a partir do final dos anos 1990 é predominantemente governada por forças de esquerda: Lula no Brasil, Evo Morales na Bolívia, Daniel Ortega na Nicarágua, Cristina Kirchner na Argentina, Rafael Correa no Equador, Hugo Chávez na Venezuela, etc.

13 Concretamente, a proximidade entre as forças revolucionárias dos dois países foi resultado do apoio cubano à guerrilha venezuelana, sobretudo àquela protagonizada por Douglas Bravo, do Partido da Revolução Venezuelana (PRV).

14 Quando perguntaram a Hugo Chávez, em 1994, se era a primeira vez que visitava Cuba, ele respondeu: “Sí, es la primera vez que vengo a Cuba fisicamente, porque ya he venido en sueño muchas veces” [Elizalde e Baéz, 2005, p. 18]. Segundo as investigações de Alberto Garrido [Garrido, 2000], os oficiais que conspiravam durante a década de 1980 e que se alçariam em 1992, liderados por Hugo Chávez, estavam vinculados, sobretudo até 1984, com o Partido da Revolução Venezuelana de Douglas Bravo. Tal organização dava grande importância ao trabalho político nas Forças Armadas, nas quais caracterizavam que havia espaço para construir uma unidade cívico-militar. Além disso, as influências concretas da Revolução Cubana sobre Hugo Chávez foram resultado do apoio de Cuba à guerrilha do PRV, liderado por Douglas Bravo que visitou diversas vezes Chávez na prisão e com quem estabeleceu o plano da formação do Movimento Quinta República. O irmão de Hugo Chávez, Ádan também participava do PRV. Chávez, sob influência cubana fundou em 1977 seu próprio grupo armado, o Exército de Libertação do Povo da Venezuela (ELPV). Além disso, o Pólo Patriótico, coalizão de partidos que elegeu Hugo Chávez em 1998 reunia Causa R, MAS, PRV, PPT, organizações que tiveram influência direta da Revolução Cubana e de seus desdobramentos.

15 Os recursos manejados pelo Executivo são oriundos predominantemente da apropriação das rendas do petróleo. Existe uma série de dúvidas sobre os programas sociais assistencialistas por parte dos governos de esquerda latino-americanos, como “Bolsas”, no Brasil e “Missões”, na Venezuela. A principal crítica é de que o assistencialismo não resolve os problemas estruturais dos países. Entretanto, a inserção desses beneficiados no mercado consumidor, ainda que a sua renda seja oriunda de programas do governo, tem servido para diminuição dos índices de desigualdade social. No caso da Venezuela, ainda existe dúvida sobre a continuidade desses programas sociais, por dependerem única e exclusivamente das rendas do petróleo. É importante lembrar, no entanto, que antes de se constituir em recurso para os programas sociais do governo, essa riqueza era apropriada privadamente pela burguesia venezuelana e pelos consórcios internacionais. Além disso, é bom lembrar que o programa “Missões” está voltado para uma prestação de serviço à população em todos os níveis e não em aporte monetário, que é o caso das “Bolsas” no Brasil e outros programas em países governados pela esquerda na América Latina.

16 Significa dizer que, embora o socialismo fosse completamente diferente nos anos 1960 e nos anos 1990, é possível afirmar a coincidência de que nos dois períodos houve, em toda a América Latina, uma intensa mobilização popular em torno de movimentos anti-sistêmicos. Nos anos 1960, acreditava-se na possibilidade de implantação do capitalismo e os setores populares haviam sido articulados em torno do nacionalismo por diferentes movimentos políticos, inclusive por governantes burgueses como Vargas, Perón, Paz Estenssoro, etc. Nos anos 1990, a mobilização da população foi uma reação às políticas neoliberais. Manifestações notadamente explosivas e, muitas delas, espontâneas – Caracazo, na Venezuela; Cara Pintadas, no Brasil, Piqueteros, na Argentina – serviram para pressionar governantes de esquerda a incorporar as demandas desses movimentos. Tanto nos anos 1960, como nos anos 1990, a resposta das classes dominantes latino-americanas e do imperialismo norte-americano à mobilização popular e às propostas de reformas no sistema econômico, político e social foi bastante contundente, provocando, em muitos casos, a radicalização de movimentos reformistas.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Claudia Wasserman et Vicente Ribeiro, « Cuba e a esquerda latino-americana. Entre o impacto da Revolução de 1959 e a Revolução bolivariana », Cahiers des Amériques latines, 57-58 | 2009, 75-88.

Référence électronique

Claudia Wasserman et Vicente Ribeiro, « Cuba e a esquerda latino-americana. Entre o impacto da Revolução de 1959 e a Revolução bolivariana », Cahiers des Amériques latines [En ligne], 57-58 | 2009, mis en ligne le 31 janvier 2013, consulté le 30 septembre 2014. URL : http://cal.revues.org/1217 ; DOI : 10.4000/cal.1217

Haut de page

Auteurs

Claudia Wasserman

Claudia Wasserman est docteur en histoire sociale de l’université fédérale de Rio de Janeiro, professeur associé de l’université fédérale du Rio Grande do Sul et chercheuse du CNPq. Auteur de nombreux livres et articles, elle est spécialiste de la question nationale, des mouvements sociaux contemporains et d’histoire intellectuelle en Amérique latine.

Vicente Ribeiro

Vicente Ribeiro prépare un mestrado en histoire à l’université fédérale du Rio Grande do Sul. Il travaille sur l’histoire de l’Amérique latine contemporaine et l’histoire du temps présent. Sa recherche actuelle, intitulée Pétrole et processus bolivarien : une analyse de la dispute pour le contrôle du pétrole au Venezuela (2001-2003), porte sur la révolution bolivarienne et sa radicalisation, à partir d’une analyse des mobilisations au Venezuela.

Haut de page

Droits d’auteur

© Cahiers des Amériques latines

Haut de page
  • Logo Centre national de la recherche scientifique
  • Logo Presses Sorbonne Nouvelle
  • Logo Institut des Hautes Études de l’Amérique latine
  • Logo Centre de recherche et de documentation sur les Amériques
  • Revues.org