Navigation – Plan du site
Chronique

Rio de Janeiro: sociabilidade e violência

Gilberto Velho
p. 7-11

Entrées d’index

Index géographique :

Brésil, Rio de Janeiro
Haut de page

Texte intégral

1Acidade do Rio de Janeiro foi capital do Brasil de 1763 a 1960, desde o final do período colonial, atravessando o regime monárquico, incluindo a estadia da corte portuguesa de 1808 a 1821 e, já com o país independente, na condição de Império, de 1822 a 1889, quando foi proclamada a República. Até a transferência da capital para Brasília, em 1960, totalizou 197 anos de centro político da sociedade brasileira. O antigo Distrito Federal passou a ser estado da Guanabara até 1975 quando, durante o regime militar, houve processo de fusão com o Estado do Rio de Janeiro. Assim, a antiga capital da Colônia, do Império e da República passou a ser capital do estado do Rio de Janeiro.

2Inegavelmente, perdeu poder e prestígio, afetando-a em sua vida econômica e cultural. Embora ainda seja a segunda maior cidade do país, depois de São Paulo, perdeu sobretudo sua condição privilegiada de sede dos poderes da República. Atualmente, o município do Rio de Janeiro, unidade política básica, tem mais de 6 milhões de habitantes, mas a região metropolitana pode dobrar esse número, chegando à cerca de 12 milhões.

3A riqueza do Rio de janeiro foi desigualmente distribuída desde o início de sua ocupação, particularmente no regime escravocrata, abolido apenas em 1888, um ano antes da proclamação da República. O seu desenvolvimento e modernização nas primeiras décadas do século xx foram acompanhados por um crescimento acelerado de sua população, com forte movimento migratório de várias regiões do país, que se somavam a estrangeiros que, em certos períodos atingiam elevada proporção, e ao próprio aumento demográfico vegetativo. Já nesse período começam a surgir as favelas, principalmente nos morros que passaram a abrigar boa parte das camadas populares. Outros segmentos destas se deslocaram para os subúrbios, chegando à periferia da região metropolitana, como a Baixada Fluminense.

4A criminalidade, por sua vez, era objeto de permanente preocupação desde a Colônia mas, acentua-se de modo dramático nos últimos cerca de 30 anos. De um lado, pode-se constatar um agravamento da desigualdade e da tensão social. A abolição da escravidão e seus antecedentes já vinham produzindo uma massa numerosa de pessoas desprovidas de recursos e com poucas possibilidades de afirmação social. O processo de declínio e extinção do sistema escravocrata eliminou um tipo de iniqüidade social mas gerou outras, como grande número de indivíduos precariamente inseridos no mercado de trabalho. A estes se juntaram migrantes, como já foi dito, especialmente das regiões Norte e Nordeste, em muitos casos fugindo de desastres naturais e sociais, como as secas. De outro, especialmente depois da perda de condição de capital, uma deterioração progressiva do poder público em todos os níveis, incluindo educação, saúde, habitação, transporte e segurança pública produziram uma situação de crescente frustração e ressentimento sociais.

5A falta de uma política social conseqüente, acompanhada por uma mudança no universo de aspirações de significativa parcela das camadas populares estimula o desenvolvimento cada vez mais acelerado do banditismo e de uma cultura da violência. Isso vai ficando cada mais evidente a partir dos anos 1970. Esta cultura da violência se manifesta pela multiplicação de bandos e grupos ligados ao tráfico de drogas e de armas, incrementado, entre outras razões, por processos de globalização que permitem que sejam encontradas nas mãos dos criminosos até metralhadoras antiaéreas, fuzis AR-15, granadas e armas de uso militar, provindas de arsenais de várias partes do mundo, inclusive das próprias forças armadas e polícia brasileiras. O contrabando de drogas e de armas se dá de modo incontrolável através das extensas fronteiras do país e mesmo dos aeroportos das principais cidades. As organizações criminosas assumem o controle da maioria das favelas, espalhadas pela cidade, da periferia e da região metropolitana. Passam a constituir o que já é denominado de “poder paralelo”, fenômeno que ocorre em quase todo o país, mas que no Rio de Janeiro ocupa lugar emblemático tanto por sua dimensão, como pela importância da cidade. Esta, apesar de suas crises e deterioração, permanece no imaginário e na prática uma referência simbólica fundamental para os brasileiros e para a opinião pública internacional. Os acontecimentos que ocorrem no Rio têm ampla e intensa repercussão, maior do que eventos igualmente ou até mesmo mais assustadores que podem ocorrer em cidades como São Paulo. Mas é inegável a gravidade da situação que se vive em terras cariocas e fluminenses.

6A irrupção de violência, no entanto, deve ficar bem claro, trata-se de um fenômeno nacional e que não pode ser restringido, tanto em termos de diagnóstico, como de atuação pública a cidades e localidades específicas. No ano de 2007, segundo dados do Ministério da Saúde, houve 50 000 homicídios no Brasil. Entre 1979 e 2003, segundo a UNESCO, mais de 550 000 pessoas morreram no país vítimas de armas de fogo, sendo que 205 000 tinham entre 15 e 24 anos. Já no Rio, só em 2002, registraram-se mais de 8 000 assassinatos. Esse número tem se mantido, com pequenas variações, até hoje, produzindo um clima de grande insegurança e medo, numa cidade que, mesmo com seus tradicionais e antigos problemas de desigualdade e pobreza, apresentava uma dimensão de intensa sociabilidade e riqueza cultural com o encontro e cruzamento de diversas correntes e fluxos de criatividade das mais variadas origens geográficas e sociais. A cultura popular, muitas vezes em clara e explícita interação com setores de camadas médias e de elite, gerou na história da cidade um panorama de extraordinária vitalidade, que se traduzia na música, nas artes plásticas, no cinema, na literatura, no teatro, nos esportes, entre outras manifestações da vida social. O samba e o carnaval aparecem como manifestação dessa pujança, mesmo com os novos mecanismos de mercantilização e massificação, denunciados pelos mais puristas.

7Isso tudo não desaparece com o crescimento da violência, mas tem que buscar fórmulas e canais que possam coexistir com os sangrentos confrontos entre bandidos e entre estes e a polícia, num clima de permanente insegurança. Parte da cidade é controlada pelos criminosos, principalmente favelas e adjacências. Outra peculiaridade do Rio que não deve ser esquecida é a sua geografia e organização social urbanas, com a presença de favelas em bairros mais abonados, como Tijuca, Santa Teresa, Botafogo, Copacabana, Ipanema e Leblon, possibilitando interações complexas e paradoxais, como através dos bailes funk. Estes criaram um espaço de encontro entre diversas categorias sociais jovens constituindo-se em um exemplo a mais da dinâmica de relacionamento entre distintos níveis culturais no Brasil.

8O poder público perde a autoridade sobre o território de diversas áreas, onde só podem entrar pessoas autorizadas ou toleradas pelos bandidos. Um dos pontos mais delicados dessa situação é a atuação da polícia, dividida em civil e militar. Há freqüentes denúncias de corrupção e de envolvimento direto de indivíduos e grupos das forças de segurança pública com a criminalidade. Há, paralelamente, o crescimento de empresas de segurança particular para proteger o comércio, a indústria, condomínios e residências, compostas, em grande parte, por policiais ou ex-policiais cuja atuação é, no mínimo, polêmica. Nos últimos anos desenvolveu-se o fenômeno das milícias, compostas principalmente por policias e bombeiros, da ativa e da reserva, que passam a disputar com as organizações criminosas o controle de áreas da cidade, como algumas favelas notórias. Na sua ação, portanto, a polícia não só é, em geral, violenta, como está contaminada em vários níveis e de diversos modos pela corrupção. O recente filme Tropa de elite, de José Padilha, que obteve muito sucesso nacional e internacional, expressa de modo dramático esse quadro. A responsabilidade social pela segurança pública é dos estados da federação. Existe, permanentemente, troca de acusações e cobrança de responsabilidade entre os níveis municipal, estadual e federal. Nos últimos anos, formularam-se planos de segurança em nível nacional mas que tem sido implementados de modo precário e nitidamente insuficiente para dar conta do agravamento da insegurança social generalizada.

9A sociabilidade, em geral, sofre limitações e empecilhos, fazendo com que os modos de utilização da cidade se alterem em termos de horários e circulação. A vida noturna declina, restaurantes e bares fecham mais cedo, as pessoas saem menos. O turismo é prejudicado. Os mais jovens desenvolvem, no seu processo de adaptação, estratégias mais ou menos conscientes para lidar com os riscos permanentes de andar pela cidade. Ao medo, amplamente disseminado, adiciona-se um fatalismo ao nível do senso comum, que já chega à naturalização dos perigos e dos crimes. São freqüentes, por exemplo, as vítimas de balas perdidas, originadas dos tiroteios já mencionados, das brigas entre facções criminosas, e destas com os órgãos de segurança pública. É mais um risco que se soma a tantos.

10Sabemos que outras grandes cidades do mundo sofrem com violência de diferentes tipos, como Joanesburgo, Cidade do México, Caracas, Bogotá, Mumbai. No Brasil, São Paulo, Recife, Salvador e Fortaleza apresentam altos índices de criminalidade, assim como a periferia de Brasília, áreas de Porto Alegre, Belém do Pará, entre tantas. O paradoxo do Rio é que continua sendo uma metrópole atraente, com belas praias, florestas surpreendentes, paisagens inesquecíveis, aura romântico-erótica, no meio de grande desordem urbana e violência. Esta, na realidade, já se apresenta mais como modo de vida do que uma estratégia de sobrevivência de populações carentes. Parte destas, sobretudo nos segmentos masculinos mais jovens, opta por um caminho em que o acesso às drogas e as armas abre um leque de possibilidades que inclui acesso a bens de consumo, como roupas, tênis, relógios, celulares, sedução das mulheres e temor por parte da sociedade em geral. Há entrevistas e declarações de jovens criminosos que sublinham a dimensão de afirmação pessoal em que os riscos e perigos são mesmo valorizados em detrimento da pobreza e humilhação de gerações mais velhas, possivelmente mais conformadas. Essas mudanças têm se dado na sociedade brasileira como um todo. É preciso evitar cair na armadilha de uma nostalgia do passado, mas é inegável que os modos de sociabilidade que vigiam há 40 ou 50 anos atrás, permitiam um convívio menos agressivo e uma vida mais tranqüila na maior parte do país. Isso não impedia manifestações de violência, inclusive a opressão das oligarquias e a presença permanente de um nível de criminalidade mas que ficava muito aquém do fenômeno que hoje vivemos.

11O Rio de Janeiro vive hoje, indiscutivelmente, uma experiência limite muito dolorosa de convívio social, em que fica patente uma crise de valores e de falência da gestão pública. Há aqui e ali sinais de busca de caminhos que viabilizem a afirmação social pacífica das camadas populares, através de iniciativas e alianças entre indivíduos e grupos altamente diferenciados mas que compartilham a preocupação com qualidade de vida em uma sociedade democrática. Embora os pobres sejam as vítimas principais do banditismo, as camadas médias e as elites têm sido sistematicamente objeto de violência nas mais variadas formas. Adultos, mulheres, crianças e idosos são atacados nas ruas. Casas são invadidas, pessoas são feridas, seqüestradas e mesmo mortas em situações em que se encontram totalmente indefesas. Um dos grandes riscos provindos desse cenário é a tentação de ver na repressão às camadas populares, como a saída para superar o problema. Relembre-se que truculências são praticadas, cotidianamente, por bandidos e policiais nas favelas e áreas mais pobres da cidade.

12A consciência da gravidade do processo que estamos vivendo talvez possibilite o desenvolvimento de um projeto de cidadania mais conseqüente do que até agora tem havido. Lidamos com um fenômeno que abarca múltiplas dimensões, econômica, política, cultural, ética, exigindo, portanto, análises e ações de natureza ampla, mais aprofundada e duradoura.

Haut de page

Bibliographie

Valladares Licia do Prado, A Invenção da Favela, Rio de Janeiro, FGV Editora, 2005.

Velho Gilberto, Mudança, Crise e Violência: política e cultura no Brasil contemporâneo, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2002.

Velho Gilberto (org.), Rio de Janeiro: cultura, política e conflito, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2007.

Vianna Hermano, O mundo funk carioca, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1988.

Vianna Hermano, O mistério do samba, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1995.

Zaluar Alba, A máquina e a revolta, Rio de Janeiro, Brasiliense, 2000.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Gilberto Velho, « Rio de Janeiro: sociabilidade e violência », Cahiers des Amériques latines, 54-55 | 2007, 7-11.

Référence électronique

Gilberto Velho, « Rio de Janeiro: sociabilidade e violência », Cahiers des Amériques latines [En ligne], 54-55 | 2007, mis en ligne le 31 janvier 2013, consulté le 21 octobre 2017. URL : http://cal.revues.org/2037 ; DOI : 10.4000/cal.2037

Haut de page

Auteur

Gilberto Velho

Professor titular e decano do Departamento de Antropologia do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Membro do Conselho Científico dos Cahiers des Amériques latines.

Haut de page

Droits d’auteur

Creative Commons License
Les Cahiers des Amériques latines sont mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution – Pas d’utilisation commerciale – Pas de modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo DOAJ – Directory of Open Access Journals
  • Logo CNRS – Institut des sciences humaines et sociales
  • Logo Presses Sorbonne Nouvelle
  • Logo Institut des Hautes Études de l’Amérique latine
  • Logo Centre de recherche et de documentation sur les Amériques
  • Revues.org